top of page
Buscar
  • Foto do escritorJuan Pablo Culasso

Minha rota para a Antártica, o Continente dos Sons

Como me tornei Sonidista da Natureza

Eu não sabia, mas o dia 16 de janeiro de 2003 não seria apenas mais um dia como qualquer outro em minha vida. Naquele dia típico do verão uruguaio, pressionei a tecla REC em um gravador. Com esse simples movimento do meu dedo indicador, minha vida deu uma guinada de 180 graus que mudaria completamente meus objetivos. Isso porque não era apenas mais uma tecla, em minha mão direita eu tinha um microfone e, à minha frente, um martim-pescador. Era a primeira vez que eu gravava o canto de um pássaro. Eu não tinha ideia das transformações que foram provocadas naquela fração de segundo. Mal sabia eu que, ao pressionar aquela tecla, minha vida mudaria para sempre.


Doze anos depois, gravar os sons da natureza tornou-se minha principal atividade profissional. Por meio dessas gravações, compartilho experiências, vivências e histórias em vários cursos e palestras que dou. Não há sensação mais reconfortante do que compartilhar o conhecimento daquilo que tanto amo.


Entretanto, mais do que um trabalho, considero a captura dos sons da natureza uma arte. Para mim, eles são como fotografias, mas, ao contrário das tiradas com uma câmera, as minhas são dinâmicas. O pássaro pode estar cantando, batendo as asas, fazendo barulho com o bico; todos esses detalhes serão meticulosamente registrados para sempre. Basta pressionar uma tecla.



Talvez por ter nascido cego, desenvolvi uma sensibilidade maior aos sons ao meu redor. Também tive uma boa educação musical, o que me faz usar meu sentido da audição de forma mais específica e intensa. Meu mundo é construído por sons e uma coisa leva a outra. A música que a natureza cria diariamente em todos os lugares é digna de um compositor de primeira linha, como Chopin ou Mozart. Isso não significa que uma pessoa que enxerga não esteja apta a desenvolver a mesma sensibilidade. Talvez seja mais difícil, afinal, o sentido da visão às vezes atua como um limitador dos outros sentidos.


Juan Pablo Culasso no Brasil


Meu pai teve uma oportunidade de trabalho no Brasil e, assim, em 2005, iniciou-se uma etapa fundamental no desenvolvimento da minha carreira. Emigrar nunca é fácil, nem mesmo quando o destino é um país vizinho. Em maio daquele ano, nos mudamos para a cidade de Campinas, no estado de São Paulo. Uma cidade desconhecida, idioma desconhecido, costumes desconhecidos, pessoas desconhecidas. No entanto, uma grande oportunidade me aguardava. O falecido professor Jacques Vielliard abriu as portas do Arquivo Sonoro Neotropical na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) sem restrições, para que eu pudesse estudar. Tive o privilégio de aprender com uma das mais importantes referências em registros sonoros da natureza, e isso não tem preço.

In 2006 I found out by chance that there would be an event in the city of São Paulo, which would gather birders (Avistar Brasil), and that was when I met Guto Carvalho, organizer of the event and one of the main references of the activity in Brazil. I had no idea that some years later, I would be invited as a lecturer and instructor in several national and regional editions of this congress where I made many friends who opened many doors for me.



Em 2014, fui selecionado pela National Geographic para representar o Uruguai no concurso de talentos Super Cerebros. Ganhar esse concurso me deu oportunidades que eu não poderia ter imaginado antes: conferências em vários países da região, cursos de som, além de pressionar a tecla REC em lugares de sonho. Por essas razões, considero minha longa jornada no Brasil um dos pilares que levaram à minha consolidação nessa área. Naturalmente, o apoio incondicional de meu pai foi o principal fator para que eu continuasse sem nunca desistir.


Eu tinha apenas um sonho que não consegui realizar: me formar em Biologia. Infelizmente, ainda hoje há muito preconceito e falta de vontade de possibilitar que as pessoas cegas tenham mais opções quando se trata de se tornarem profissionais. No Brasil e na América Latina, as oportunidades profissionais estão praticamente limitadas aos cursos de humanas.


Eles nos impõem limites, mas na verdade eles é que são limitados, e não nos permitem obter um diploma na área de conhecimento para a qual temos vocação.


Juan Pablo Culasso na Antártica


A primeira vez que realmente entendi o que era a Antártica foi quando li o "Diário de Scott". As descrições de beleza e infortúnio, aventura e infortúnio, vida e morte, alegria e tristeza capturadas em cada página me mostraram como era realmente o continente branco. Então, depois de ter vencido o Super Cerebros, escrevi um projeto para o Instituto Antártico Uruguaio propondo um trabalho relacionado à gravação de sons naquelas latitudes. Isso porque eu não tinha condições de visitar aquele lugar como turista, pois, além de ser uma viagem cara, eu não preenchia os requisitos necessários para concretizar o trabalho.



Foi imensamente satisfatório ter o projeto aprovado e, portanto, receber o convite para ir à expedição.


O objetivo do trabalho era registrar todas as manifestações sonoras possíveis. Desde o vento que agita a bandeira uruguaia no mastro da base, até a suave gota d'água do degelo. Nesse intervalo, também gravei colônias de pinguins, petréis, focas, icebergs derretendo, gelo rachando, o som da neve. Para esse trabalho, usei dois gravadores de fita e pelo menos uma dúzia de microfones, estruturas de atenuação de vento e um refletor parabólico para captar sons a grandes distâncias. Um dos microfones foi adaptado pelo fabricante para funcionar bem em condições tão extremas. Esse tipo de tecnologia foi essencial quando eu estava gravando selos a -25ºC.


Meu pai me acompanhou nessa campanha, eu com meus microfones e ele com sua câmera, registrando todos os meus movimentos. Durante a expedição, nossa casa foi a Base Científica Antártica de Artigas, localizada na Ilha Rei George, no arquipélago das Ilhas Shetland do Sul, no paralelo 62. Chegamos em 3 de dezembro de 2015 e a natureza nos recebeu com ventos de 70 quilômetros por hora e uma temperatura de -25C. Na estação do ano em que estávamos lá, não havia noite, eram 24 horas de luz do dia. Dissemos "noite" até as 11 horas de amanhã e, quando saímos para os dormitórios, a luz do dia parecia o meio da tarde. O simples fato de pisar naquele lugar é suficiente para fazer você entender.


Cada dia foi cuidadosamente planejado, pois o clima lá é muito variável. Uma manhã de céu azul (uma raridade absoluta) poderia rapidamente se transformar em uma nevasca ou em um vento que parecia que ia quebrar seus ossos. Por esse motivo, quando nos afastávamos da base, sempre tínhamos um rádio para estabelecer comunicação e, em situações mais complicadas, como o caminho para o Estreito de Drake, éramos guiados por um membro da equipe da base que já tinha conhecimento prévio do local a ser explorado. Não teria sido uma boa sensação pisar em um bloco de gelo instável e vê-lo quebrar sob nossos pés. ....


Não foi uma campanha fácil. As longas caminhadas na neve fofa, às vezes até a altura dos joelhos, foram um grande desafio. É impossível comparar com o que é um dia na floresta tropical. Andando na neve, você nunca sabe se no próximo passo vai ficar enterrado até a cintura, como aconteceu comigo, ou como é andar no gelo e ouvir os sons de rachaduras e pensar: será que vai quebrar ou não? Foram desafios maravilhosos para serem vivenciados. É claro que não é para todo mundo, é preciso ter uma boa dose de paciência, bom humor e estar pronto para tudo.


A Antártica não é um continente tão rico em vida selvagem em comparação com a exuberância da Mata Atlântica. Entretanto, os sons que encontrei eram absolutamente diferentes de tudo o que eu já havia ouvido antes. O farfalhar das asas do Wilson's Petrel, os sons intensos de comunicação dos pingüins Chinstrap, além da impressionante vocalização do elefante-marinho.


Hoje, prefiro a qualidade à quantidade. Realmente não me importo com o número de espécies. Ganho mais gravando um único som durante um longo período de tempo do que procurando compulsivamente uma variedade maior. É preferível ter dez registros de altíssima qualidade do que 50 de qualidade aceitável.


A paisagem sonora naquelas latitudes era incrível. Isso se deve ao fato de a Antártica ser música. O gelo fala, o mar fala, a neve fala, você só precisa saber ouvir. Mas, infelizmente, a poluição sonora causada pelo homem já chegou lá: barcos de patrulha, aviões e helicópteros. Não é algo que acontece o tempo todo, mas quando você viaja para tão longe, torna-se mais intolerante a esses ruídos.


É impossível expressar em palavras o quanto fiquei feliz ao gravar o elefante-marinho, depois de uma caminhada muito difícil até a colônia, e depois voltar à base, ouvir a gravação e realmente sentir que os dez segundos que ela durou valeram os dez quilômetros de ida e volta.


Por outro lado, também tive uma sensação um tanto desagradável no final da campanha, quando percebi o quanto estamos destruindo tudo ao nosso redor sem medir as consequências. A colônia de pinguins que registrei é uma das mais contaminadas por metais pesados na Antártica. Parece que em todo lugar que vamos, deixamos nossa pegada negativa. É uma pena. Quando coloquei os pés no continente branco, não tive a típica reação de conquista "cheguei, finalmente estou aqui", mas tive a sensação de profanar algo que não nos pertence. Cada som que gravei, quero acreditar, foi um presente da natureza antártica.


Foram 53 dias de magia, esforço, gratidão, presentes e experiências inesquecíveis. Da mesma forma, a Antártica precisa ser protegida. É um continente sensível a qualquer tipo de atividade. Por enquanto, ela está segura pelo protocolo de Madri, mas temo que, perto de sua data de validade, a Antártica será, infelizmente, a protagonista dos projetos mais sombrios.


Meu trabalho é puramente artístico. Enquanto isso, sigo algumas diretrizes da Universidade de Cornell para catalogar as gravações na biblioteca Macaulay, o principal repositório on-line de sons da natureza.


É dessa forma que a arte de gravar na natureza é a maneira de divulgar e, assim, mostrar ao público as maravilhas que nos cercam de outro ângulo. Arte e conservação juntas através do canto de um pássaro, o som de uma cachoeira, o som do gelo derretendo.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page